Como incentivar os jovens a votar? AOC joga Among Us

                                                                                                            As opiniões expostas neste artigo vinculam exclusivamente os seus autores.

No dia 20 de outubro, às 21 horas nos Estados Unidos, Alexandria Ocasio-Cortez (AOC) iniciou um live stream no Twitch para jogar aquele que é o jogo do momento: Among Us. Esta ação claramente política faz parte do programa democrata I Will Vote, financiado pelo Comité Nacional Democrata. O stream teve cerca de 3 horas e meia e contou com a presença de Twitch streamers bastante populares e a congressista democrata Ilhan Omar, para além de AOC. É dos streams com mais visualizações de sempre na plataforma.

Aquilo que AOC conseguiu, e que a maior parte dos políticos não consegue ao interagir com jovens, foi apresentar-se como uma pessoa “normal”. Ou seja, mais do que um membro de uma elite política burocrática à procura de legitimação para a autoridade que almeja alcançar. Nas palavras de Habermas, a sociedade da atualidade já não se encontra separada em classes, mas continua separada em interesses. Esta transição deve-se ao avanço tecnológico e científico que cada vez mais se faz sentir. A ideologia é o que torna possível um equilíbrio entre os “interesses” daqueles com lugar no poder político, que necessitam de legitimidade para aplicar autoridade, e os “interesses” daqueles que concedem tal legitimidade. O casamento destes interesses é fundamental para se chegar ao poder. 

Quando AOC iniciou o stream, a mensagem nas entre linhas era clara: «se és jovem, vota democrata, porque nós sabemos quais são os teus interesses». Na cultura online é bastante fácil detetar “turistas” e grande parte das figuras políticas não passam disso mesmo. Os turistas são aqueles que utilizam a internet como um meio para atingir um fim e, normalmente, para atingir esse fim é necessária uma transação. Isto significa que quando estes políticos aparecem nos círculos online desejam apenas influenciar o voto, legitimar a sua autoridade ou denegrir os seus adversários, construindo narrativas. Quer Trump, quer Biden serão sempre turistas em certos círculos online, sobretudo naqueles onde predominam os jovens. O sucesso da jogada política de AOC está no enfoque do mundanismo e não do oportunismo.

O objetivo do evento não foi o de angariar financiamento, mas o de apelar ao voto dos mais jovens. Através da identificação daquele que é um dos grandes interesses desta faixa etária, os democratas conseguiram realizar aquela que foi uma campanha ao voto que chegou a quase 500,000 jovens. A mensagem não foi diretamente «vota nos democratas!», foi apenas «vota!», o que neste caso apenas faz com que a empatia aumente ainda mais.

 

O poder das redes sociais em captar os votos de jovens norte-americanos foi identificado, primeiramente, em 2008, aquando campanha de Barack Obama pelo Facebook. Também os republicanos têm utilizado esta estratégia, mas nenhum dos dois partidos tinha até então utilizado a plataforma desta forma, uma das melhores na não promoção de desinformação. Quando Biden ou Trump realizaram um stream no Twitch para promover os eventos das suas campanhas, conseguiram 6,000 e 17,000 visualizações respetivamente, não se comparando com o impacto deste evento.

Carolina Correia

Mestranda em CPRI – especialização em Relações Internacionais
NOVA-FCSH

fontes